domingo, 16 de setembro de 2012

Colocação Pronominal


Colocação Pronominal

É a parte da gramática que trata da correta colocação dos pronomes oblíquos átonos na frase.
Embora na linguagem falada a colocação dos pronomes não seja rigorosamente seguida, algumas normas devem ser observadas, sobretudo, na linguagem escrita.

A Colocação Pronominal irá "afetar" os seguintes pronomes oblíquos átonos:

Pronomes: me, te, se, lhe, lhes, o, a, os, as, nos, vos.

Estes pronomes têm três posições básicas em relação ao verbo:

1º Próclise: é a colocação dos pronomes oblíquos átonos antes do verbo.
Ex: Eu me calei.

2º Mesóclise: é a colocação pronominal no meio do verbo.
Ex: Calar-me-ei.

3º Ênclise: é a colocação pronominal depois do verbo.
Ex: Calei-me.

Entendido isso, fica muito fácil agora saber quando usamos próclise, mesóclise e a ênclise.

Dica: Existe uma ordem de prioridade na colocação pronominal: primeiro tente fazer próclise, depois mesóclise e, em último caso, ênclise.
A posição preferencial pela Gramática no Português é a ênclise, ou seja, todo pronome vem preferencialmente depois do verbo, salvo quando algo o tire dessa posição.

Então precisamos saber quando é que os pronomes NÃO vêm em Ênclise.

PRÓCLISE:

Com a palavra NARIS - D (com "s") temos o seguinte:

N negativas: não, nunca, jamais...
A advérbios: hoje, amanhã, sempre...
R relativas: que, qual, cujo...
I indefinidos (nada, algum, nenhum...) & interrogativos (quem, quando, como...)...
S sujeito (eu, tu, ele, ela, nós, vós, eles, elas, você) & subordinadas (que contêm conjunções subordinativas)...

D demonstrativos: esse, essas, aqueles...

Observe os exemplos onde os pronomes oblíquos são atraídos pelo esquema acima:

1º (Negativas) Não SE meta nesse assunto
2º (Advérbios) Sempre TE disse a verdade.
3º (Relativas) Não acredite no jornal que LHE deram.
4º (Indefinidos) Alguém SE safou dessa.
5º (Interrogativos) Quem ME chamou?
6º (Sujeito) Nós O vimos ontem.
7º (Subordinadas) Embora SE arrependesse, não pediu desculpas.
8º (Demonstrativos) Este ME parece melhor que aquele.

Preste atenção nesses casos de próclise que NÃO estão cobertos pela regra do NARIS-D:

1º Verbos no GERÚNDIO com preposição EM atraindo o pronome para antes do verbo:

Ex: Em SE plantando, tudo dá.

2º Orações de desejo:

Ex: Deus TE proteja!

Macacos ME mordam!

MESÓCLISE:

É usada no futuro do presente e no futuro do pretérito:

Ex: Dir-LHE-ei alguma coisa em breve.
Desmentir-SE-iam, se pudessem.

ÊNCLISE:

Os Pronomes vêm sempre em Ênclise, e se tiver em um dos casos de NARIS D, vêm em próclise (negativas, advérbios, relativos, indefinidos, sujeitos/subordinadas e demonstrativos). Os casos mais comuns de ênclise são:

1º Quando o verbo estiver no imperativo afirmativo:
Amem-SE uns aos outros.
Sigam-ME e não terão derrotas.

2º Quando o verbo iniciar a oração (pois NUNCA se pode começar uma oração com um pronome oblíquo átono):
Diga-LHE que está tudo bem.
Chamaram-ME para ser sócio.

3º Quando o verbo estiver no infinitivo impessoal regido da preposição "a":
Naquele instante os dois passaram a odiar-SE.
Passaram a cumprimentar-SE mutuamente.

4º Quando o verbo estiver no gerúndio (quando NÃO for precedido da preposição EM antes do pronome):
Não quis saber o que aconteceu, fazendo-SE de despreocupada.
Despediu-se, beijando-ME a face.

5º Houver vírgula ou pausa antes do verbo:
Se passar no vestibular em outra cidade, mudo-ME no mesmo instante.
Se não tiver outro jeito, alisto-ME nas forças armadas.

6º Quando o verbo estiver no infinitivo impessoal: 
Não era minha intenção machucar-TE.

COLOCAÇÃO PRONOMINAL NAS LOCUÇÕES VERBAIS

Este é um assunto realmente MUITO cobrado nas provas de vestibulares e concursos, e por sorte não é muito difícil de se entender.


Até agora estudamos a colocação pronominal com apenas um verbo. Mas o que ocorrerá se você tiver dois verbos formando a oração? Caso apareça uma locução verbal, você terá de analisar se há elementos para que ocorra próclise, ênclise ou mesóclise e quais os verbos principais dessa locução. Por vezes, haverá duas opções.
Relembrando: locução verbal é a reunião de dois ou mais verbos para exprimir uma só ação. primeiro verbo é chamado auxiliar; o último é o principal e está SEMPRE no infinitivo, no gerúndio ou no particípio.


OBSERVAÇÕES MUITO IMPORTANTES ANTES DE COMEÇAR A FALAR SOBRE A COLOCAÇÃO PRONOMINAL NAS LOCUÇÕES VERBAIS: 

1ª OBSERVAÇÃO: O PRONOME OBLÍQUO ÁTONO NUNCA PODE SER LIGADO A VERBO NO PARTICÍPIO.

2ª OBSERVAÇÃO (PRESTE EXTREMA ATENÇÃO A ESTA): A TENDÊNCIA NO BRASIL É A DE SE COLOCAR O PRONOME NO MEIO DOS VERBOS, MAS SEM HÍFEN. NESTE CASO, PASSA-SE A TER O PRONOME PROCLÍTICO AO PRINCIPAL, O QUE NÃO É A FORMA CORRETA.

Vejamos, agora, as regras da Colocação Pronominal nas Locuções Verbais:

1ª Regra:

NÃO HAVENDO fatores de Próclise, o verbo ou poderá ficar enclítico em relação ao verbo auxiliar ou poderá ficar enclítico em relação ao verbo principal (somente se o verbo principal estiver no infinitivo ou no gerúndio, pois vale lembrar que o pronome oblíquo átono NUNCA pode estar ligado a verbos no particípio.)

Exemplo: 


Teresa precisa-lhe falar algumas coisas.
Teresa precisa falar-lhe algumas coisas.


Pode-se perceber que, no exemplo acima, NÃO HÁ elementos que pedem próclise, pois "Teresa" não é um dos fatores encontrados no "NARIS-D" e nem nos casos especiais que não são cobertos pelo "NARIS-D" abordados anteriormente. Por essa razão, o pronome pode ficar ou enclítico em relação ao verbo auxiliar (precisa) ou então ficar enclítico ao verbo principal (falar). Lembrando que se o verbo principal estivesse no particípio e não houvesse fatores de próclise, o pronome deveria OBRIGATORIAMENTE ficar enclítico ao verbo auxiliar, já que o pronome oblíquo átono NUNCA pode ser ligado a verbos no particípio.

Ou seja, se NÃO HOUVER fatores de Próclise e o verbo principal estiver no particípio, o pronome deverá ficar OBRIGATORIAMENTE enclítico ao verbo auxiliar, como se pode ver no seguinte exemplo:

Teresa tinha-te falado algumas coisas.

Neste exemplo não poderia haver a construção "Teresa tinha falado-te algumas coisas." pelo fato de o verbo principal (falado) estar no particípio, e os pronomes NUNCA podem se ligar a verbos no particípio, havendo somente a opção de deixar o pronome enclítico em relação ao verbo auxiliar "tinha".

2ª Regra: 

HAVENDO fatores de Próclise, o verbo ou poderá ficar proclítico em relação ao verbo auxiliar ou poderá ficar enclítico em relação ao verbo principal (somente se o verbo principal estiver no infinitivo ou no gerúndio, pois vale lembrar que o pronome oblíquo átono NUNCA pode estar ligado a verbos no particípio.)

Exemplo:

Não lhe preciso falar algumas coisas.
Não preciso falar-lhe algumas coisas.

Pode-se perceber que, no exemplo acima, a palavra "Não", que é uma palavra de sentido negativo, ou seja, é um fator de próclise, como mostrado anteriormente. Por este fator, o pronome oblíquo átono pode ou ficar proclítico em relação ao verbo auxiliar (preciso) ou ficar enclítico em relação ao verbo principal (somente se o verbo principal for infinitivo ou gerúndio, pois vale lembrar que o pronome oblíquo átono NUNCA pode ser ligado a verbos no particípio.)


Ou seja, se HOUVER fatores de Próclise e o verbo principal estiver no particípio, o pronome deverá ficar OBRIGATORIAMENTE proclítico ao verbo auxiliar, como se pode ver no seguinte exemplo:

Não lhe tinha falado algumas coisas.

Neste exemplo não poderia haver a construção "Não tinha falado-lhe algumas coisas." pelo fato de o verbo principal (falado) estar no particípio, e os pronomes NUNCA podem se ligar a verbos no particípio, havendo somente a opção de deixar o pronome proclítico em relação ao verbo auxiliar "tinha".

OUTRA OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: SE O VERBO AUXILIAR ESTIVER NO FUTURO DO PRESENTE OU NO FUTURO DO PRETÉRITO E NÃO HOUVER FATORES DE PRÓCLISE, OCORRERÁ MESÓCLISE EM RELAÇÃO A ELE OU PRÓCLISE EM RELAÇÃO AO VERBO PRINCIPAL (desde que o mesmo não esteja no particípio, já que nunca é demais ressaltar que o pronome oblíquo átono NUNCA se liga a verbos no particípio.

Exemplo:

Poder-se-á resolver o caso imediatamente.
Poderá resolver-se o caso imediatamente.

Observe que no exemplo acima o pronome pode tanto ficar mesoclítico em relação ao verbo auxiliar (poderá) ou enclítico em relação ao verbo principal (resolver), já que não houve verbo no particípio, mas sim no infinitivo.

Outro exemplo (desta vez usando o particípio):

Ter-me-iam entregado os convites.

Desta vez a única opção é usar a mesóclise em relação ao verbo auxiliar (teriam), pois não poderia haver a construção "Teriam entregado-me os convites." por causa que o verbo principal (entregado) está no particípio, e, lembrando mais uma vez, o pronome NUNCA se liga a verbos no particípio.

3ª Regra: 

Se houver, na oração, um verbo auxiliar + um verbo principal no infinitivo com preposição, o pronome poderá ficar proclítico ao verbo principal no infinitivo ou então poderá ficar enclítico ao mesmo.

Exemplo:


Começou a se preparar para o exame.
Começou a preparar-se para o exame.

Há, nesta oração, a preposição "a", o verbo auxiliar "começou" e o verbo principal "preparar" (no infinitivo). Por esta razão, pode-se colocar o pronome tanto antes do verbo principal (próclise) quanto depois do verbo principal (ênclise), como foi observado no exemplo acima.

Não se preocupe se você não conseguiu assimilar muito bem este conteúdo todo, segue abaixo um resumo com informações abordadas de maneira mais resumida e fácil de serem compreendidas e assimiladas.

RESUMO GERAL DE COLOCAÇÃO PRONOMINAL NAS LOCUÇÕES VERBAIS:

- Verbo auxiliar + verbo principal infinitivo ou gerúndio SEM FATOR DE PRÓCLISE = Ênclise em relação ao verbo auxiliar ou Ênclise em relação ao verbo principal. Exemplo: 
"Teresa quer-lhe falar algumas coisas."
"Teresa quer falar-lhe algumas coisas."

- Verbo auxiliar + verbo principal infinitivo ou gerúndio COM FATOR DE PRÓCLISE = Próclise em relação ao verbo auxiliar ou Ênclise em relação ao verbo principal. Exemplo:
"Não lhe quero falar algumas coisas."
"Não quero falar-lhe algumas coisas."

- Verbo auxiliar + verbo principal particípio SEM FATOR DE PRÓCLISE = Ênclise em relação ao verbo auxiliar.
Exemplo: "Tinha-lhe contado a verdade."

- Verbo auxiliar + verbo principal particípio COM FATOR DE PRÓCLISE = Próclise em relação ao verbo auxiliar.
Exemplo: "Não lhe tinha contado a verdade."

- Havendo futuro do presente ou futuro do pretérito SEM FATOR DE PRÓCLISE, aplica-se a mesóclise em relação ao verbo auxiliar ou a ênclise em relação ao verbo principal (somente se este for infinitivo ou gerúndio, já que o pronome NUNCA se liga ao verbo no particípio).
Exemplo: 
"Poder-se-á resolver o caso imediatamente." << Mesóclise em relação ao verbo auxiliar (poderá).
"Poderá resolver-se o caso imediatamente." << Ênclise em relação ao verbo principal (resolver) (a ênclise pode ser usada neste caso já que o verbo principal (resolver) NÃO está no particípio.)

MAS:

"Ter-me-iam entregado os convites." << Mesóclise em relação ao verbo auxiliar (teriam), e não se pode usar a construção enclítica em relação ao verbo principal (entregado) "Teriam entregado-me os convites." (construção incorreta), já que o verbo principal está no particípio.


- Verbo auxiliar + verbo principal no infinitivo com preposição = Próclise ou Ênclise em relação ao verbo principal.

Exemplo:
"Começou a se preparar para o exame."
"Começou a preparar-se para o exame."

Nenhum comentário:

Postar um comentário